O setor em números

De acordo com o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, que regula, inspeciona e fiscaliza os estabelecimentos produtores e de bebidas em território nacional, fechamos 2017 com a consolidação do crescimento do nosso mercado cervejeiro, atingindo a marca de 679 estabelecimentos legalmente instalados .

Já somos o terceiro maior fabricante mundial, com 13,3 bilhões de litros produzidos, atrás, somente, da China (46 bilhões) e dos Estados Unidos (22,1 bilhões). 

Como um todo, a indústria gerou R$ 77 bilhões em faturamento no último exercício fechado, equivalente a 2% do PIB e 14% da indústria de transformação nacionais. Além disso, contribuiu com R$ 25 bilhões em impostos.

Produção de cerveja por país entre 1990 a 2016

O mercado cervejeiro do Brasil em números

Pelas próprias características da atividade, as cervejarias impactam positivamente outros setores econômicos, como o agronegócio, transporte, energia, veículos, , alumínio e vidro, entre outros. Atualmente, 2,7 milhões de pessoas são empregadas direta e ou indiretamente, seja nas 53 unidades fabris instaladas em solo brasileiro ou nas empresas que compõem a extensa cadeia de valor, composta pelas indústrias dos insumos e da distribuição.

A contribuição é, também, social. Apenas no último ano, as cervejarias investiram R$ 400 milhões em esporte e cultura. E como a água representa 95% da composição da cerveja, as associadas do SINDICERV dedicam esforços e capital intensos à sustentabilidade e a ações voltadas ao consumo responsável  (saiba mais aqui).

Hoje, graças a esse imenso trabalho conjunto, a bebida que é paixão nacional faz parte do dia a dia dos lares brasileiros, onde chega por meio de uma frota de 38 mil veículos e de uma rede de mais de 1,2 milhão de pontos de vendas. E o mercado cervejeiro ainda tem grande potencial de crescimento, para gerar ainda mais valor a todos. Atentas a essa perspectiva, em 2017, as empresas investiram R$ 3,7 bilhões em sua capacidade produtiva – e a previsão é que coloquem mais R$ 4 bilhões em 2018 e R$ 4,2 bilhões em 2019.

Um dos maiores desafios enfrentados pelo setor é a alta carga tributária a que ele está submetido. O Brasil aplica as alíquotas mais altas em toda a América Latina (o impacto no preço final da cerveja chega a 56%) . O cenário macroeconômico nacional e oscilações no poder aquisitivo da população também constituem variáveis que influenciam o desempenho das cervejarias, já que a maior parte da produção da indústria brasileira é destinada ao consumo interno, que tem baixíssima penetração de importações e ainda possui oportunidades de aumento dos coeficientes de exportação . Nesse sentido, as empresas atuam de forma responsável e sempre transparente, dialogando com o governo e com toda a sociedade, e investindo continuamente em tecnologias voltadas ao ganho em produtividade.